book

BEST RATE GUARANTEERATE CALENDAR FLIGHT + HOTEL

Outside the Zarkana Theater.

SHOWTIMES WEDNESDAY

No show today!

S M T W T F S

DURAÇÃO DO SHOW

90 minutos

PREÇO*

US$ 69 a US$ 180 por pessoa

BILHETERIA

855.ZARKANA

HOURSWEDNESDAY

10:00 am. - 6:00 pm.

ENDEREÇO

Andar da passarela
3730 Las Vegas Blvd South 
Las Vegas, NV

RESERVAS PARA GRUPOS

877.826.0255 (para 12 ou mais hóspedes)
Os preços dos ingressos não incluem imposto de entretenimento ao vivo, bem como taxas de serviço de ingresso. Reembolso ou troca não estão disponíveis com base em cancelamentos.

Francois GirardROTEIRISTA E DIRETOR

Um dos mais respeitados criadores de Quebec, François Girard passa facilmente de um meio para outro e adquiriu, ao longo dos anos, um status internacional invejável. Um amante da música, ele conquistou uma reputação única para escrever e dirigir obras imbuídas de grande musicalidade em produções em que a música desempenha um papel importante. Zarkana é o segundo trabalho de François Girard como roteirista e diretor do Cirque du Soleil, após o show ZED, baseado em Tóquio.

Line TremblayDIRETORA DE CRIAÇÃO

Line Tremblay se apaixonou pelo Cirque du Soleil em 1984, atraída pelo seu espírito livre, um espírito que ela conta que nunca foi embora. Antes de entrar para o Cirque du Soleil, Line desenvolveu uma paixão por trabalhar no mundo do cinema e da televisão, especialmente como assistente de direção na Rádio Canadá, onde trabalhou em estreita colaboração com designers e criadores. Em 1992, ela se uniu a Franco Dragone, auxiliando-o na criação e direção dos espetáculos do Cirque du Soleil: Mystère, Alegría, Quidam, "O" e La Nouba. 

 

Stéphane RoyDESIGNER DE CENÁRIOS E PEÇAS

Formado na Escola de Teatro Nacional do Canadá, Stéphane Roy trabalhou como designer de cenário e diretor artístico em mais de 100 produções em Montreal e no exterior. Embora ativo principalmente em teatro e dança, ele também trabalhou no cinema, televisão, publicidade e espetáculos de variedades. Com essa formação profissional, além de um pai arquiteto, uma mãe trabalhando no teatro e uma abordagem social e artística única para o espaço de desempenho, talvez fosse inevitável que Stéphane se aproximasse do Cirque du Soleil, um relacionamento que começou com a criação de Dralion e continuou com Varekai, Zumanity, Kooza e agora, Zarkana.

Alan HraniteljFIGURINISTA

Alan Hranitelj frequentou a Escola de Artes Visuais em sua cidade de Zagreb, Croácia, e tem vivido na Eslovênia desde 1985, quando foi para a Ljubljana para projetar a maquiagem da produção da peça Batismo em Triglav. Entre 1987 e 2010, Alan desenhou os figurinos para cerca de 200 projetos, se destacando em exposições individuais e coletivas no Museu de Arte Moderna, em Ljubljana (1991), a Galeria Municipal, Ljubljana (1991-1995) e no evento da Capital Europeia da Cultura 96 em Copenhague (1996). Em 2000, seu trabalho foi apresentado em um show de moda e apresentação em movimento do teatro no Millennium Dome, em Londres. Ele desenhou os figurinos para o teatro clássico e moderno em muitas produções de ópera dirigidas por proeminentes diretores eslovenos como Vito Taufer, Mateja Koležnik, Diego de Brea, Matjaž Berger e Meta Hočevar. Zarkana é seu primeiro trabalho no mundo do Cirque du Soleil.

Set Design

The overall aesthetics were inspired by the Art Nouveau movement of the last century, as well as the works of Gaudí and Klimt, while many of the organic shapes in the set elements are a nod to the master French glassmaker and jeweler René Lalique. More perceptive observers will notice these influences in the design of the acrobatic equipment – especially in the lines at their extremities.

Keen observers will also note that the shape of the hole through which Zark makes his first entrance reproduces the outline of Manhattan, while the moon above the stage marks the exact position of Radio City Music Hall.

Image & Video Content

The complex video content of the show was developed with a cinematic approach and plays an integral role in the storytelling. The goal was to bring maximum credibility to this strange parallel world through lifelike moving images on an enormous LED wall at the rear of the set, and projections on the second of three arches that react to the movements of the performers.

Light Wall

There are more than three million pixels of LEDs on the 90ft by 40ft light wall upstage and the LED arch made of of 118 separate panels. This setup allows for the larger-than-life cinematic tableaux that lend the surreal world of Zarkana a heightened sense of reality.

Trapeze

The cradle stations used in the flying trapeze act do not employ steel cables to keep them in position. They rely entirely on "hanger tubes" for their rigidity. The structure of the high wire number installed on the floor of the theatre’s orchestra pit is freestanding, without any anchor points.

Bandstands

The two Eagle’s-head bandstands that house the musicians on either side of the stage are 28ft tall and weigh more than 9,000 pounds each.

Costume ThemesA modern twist on the 1920s and 1930s

The characters in Zarkana inhabit a surreal world inspired by the American circus sideshows that flourished in the 1930s and the spirit of the golden age of Coney Island. The overall visual aesthetic of their costumes – 250 in all – is a modern take on the look of the 1920s, the 1930s and the Art Deco movement. 

Fabrics and printing

To create the costumes for Zarkana’s quirky crew of oddball characters and acrobats, Alan worked with a wide range of synthetic fabrics such as polyester, and neoprene, and specialized color printing techniques such as sublimation, many of which were developed by the innovators in the Cirque du Soleil costume workshop. 

Tarantula

Tarantula, the spider-woman mutant’s costume suggests all of the perceived danger in her arachnid identity. Her spider legs are extensions to her costume that are attached to the mechanism that allows her to descend to the stage from the ceiling. 

Jovians

The costumes of the extraterrestrial Jovians were originally inspired by a fictitious tribe that lived off the bounty of the sea. When they went fishing, they wore costumes that made them look like fish to fool their prey. The Jovians’ costumes are made of double-laminated Lycra and decorated with bubbles that represent the foam excreted by the fish.